Qualidade e Tecnologia a Serviço do Meio Ambiente

TRATAMENTO E DESTINAÇÃO FINAL DE RESÍDUOS


DISPOSIÇÃO EM ATERRO CLASSE I

Área de descarte que contemplam um sistema de impermeabilização com argila e dupla geomembrana de PEAD - que protege o solo e os lençóis de água subterrâneos, do contato com os resíduos e com o efluente gerado. O efluente gerado, ao ser captado pelo sistema de drenagem é encaminhado para estação de tratamento.
Destina-se a disposição de resíduos industriais perigosos, os quais passam por um processo de pré-tratamento: estabilização, solidificação, neutralização e encapsulamento, tornando-os não re-ativos e não inflamáveis, com baixo teor de solventes, óleos ou água. No Aterro Classe I podem ser dispostos resíduos como: lodo de estação de tratamento de efluentes e galvânicos borra de retífica e tintas, cinzas de incineradores, entre outros.

DISPOSIÇÃO EM ATERRO CLASSE II A

Área de descarte que contemplam um sistema de impermeabilização com argila e dupla geomembrana de PEAD, sistema de drenagem e tratamento de efluentes líquidos e gasosos e completo programa de monitoramento ambiental. Destina-se a disposição de resíduos industriais não perigosos e não inertes, e também resíduos domiciliares.

DISPOSIÇÃO EM ATERRO CLASSE II B - INERTES

Área de descarte, que devido à característica inerte dos resíduos dispostos, dispensa a impermeabilização do solo. Esse aterro possui sistema de drenagem de águas pluviais e um programa de monitoramento ambiental que contempla o acompanhamento geotécnico (movimentação, recalque e deformação) do maciço de resíduos. Destina-se a disposição de resíduos inertes como entulho, concreto, etc.

USINA DE CO-PROCESSAMENTO


Consiste no processo tecnológico indicado para o tratamento de resíduos industriais, líquidos, sólidos e pastosos. Consiste na destruição térmica dos resíduos em fornos de cimento. Em relação a outras técnicas de queima é uma solução pró-sustentável, uma vez que envolve o aproveitamento energético do resíduo, ou seu uso como matéria-prima na indústria de cimento sem afetar a qualidade do produto final.
Neste tipo de tratamento os resíduos são submetidos a um processo de blendagem, que envolve mistura e homogeneização.

m altas temperaturas, os resíduos são destruídos ao mesmo tempo em que são utilizados como energia alternativa para os fornos, em substituição aos combustíveis fósseis ou matéria prima.
Vantagens:

  • Destruição de 100% dos resíduos, eliminando todo passivo ambiental;
  • Aproveitamento do resíduo como combustível alternativo pelo potencial energético da matéria;
  • Substituto de matéria-prima na indústria cimenteira, sem qualquer alteração na qualidade do produto final.
USINA DE INCINERAÇÃO

A Incineração é um processo de destruição térmica realizada sob alta temperatura - 900 a 1200 ºC com tempo de residência controlada - e utilizado para o tratamento de resíduos de alta periculosidade, ou que necessitam de destruição completa e segura.
Nesta tecnologia ocorre à decomposição térmica via oxidação à alta temperatura da parcela orgânica dos resíduos, transformando-a em uma fase gasosa e outra sólida, reduzindo o volume, o peso e as características de periculosidade dos resíduos..

RESÍDUOS QUE NÃO PODEM SER INCINERADOS
  • Radioativos;
  • Resíduos totalmente inorgânicos;
  • Resíduos hospitalares (centro cirúrgico).
RESÍDUOS QUE PODEM SER INCINERADOS
  • Resíduos sólidos, pastosos, líquidos e gasosos;
  • Resíduos orgânicos clorados e não-clorados (borra de tinta, agrodefensivos, borras oleosas, farmacêuticos, resíduos de laboratório, resinas, entre outros;
  • Resíduos inorgânicos contaminados com óleo, água contaminada com solventes, entre outros);
  • Solo contaminado;
  • Drogas e entorpecentes;
  • Resíduos hospitalares e de serviços de saúde;
  • Resíduos provenientes de centros de zoonoses, laboratórios de análises clínicas e ração animal.
Vantagens:


  • Destruição total da parcela orgânica dos resíduos;
  • Flexibilidade na forma de recebimento dos resíduos (tambores, bombonas, caixas, fardos, sacos e big bags).